Entender a patafísica, é falhar em entender a patafísica. Tentar defini-la, é apenas uma representação de um de seus possíveis significados, que sempre será o exato oposto de um outro significado igualmente possível.

       Tendo dito isso, fica claro que definições da patafísica devem ser tratadas com precaução. Isso acontece pois a própria noção de “definição” (um conjunto de palavras que dão um sentido específico a um termo em um único sentido em qualquer situação) é em si mesma uma noção “antipatafísica”. Como poderia uma definição conter em si mesma uma contradição?

       Ainda assim, existem tentativas úteis da definição da patafísica, especialmente, claro, as do próprio Alfred Jarry. As quais podemos listar da seguinte forma:

- Patafísica é a ciência das soluções imaginárias.

- Patafísica está para a metafísica, assim como a metafísica está para física.

- Patafísica é a ciência do particular, e as leis que regulam as exceções.

- A parafísica descreve um universo suplementar a este.   

Desde então, algumas adições e tentativas de aproximação à patafísica foram feitas. Rene Daumal observou que a “patafísica é o oposto da física”, enquando Raymond Queneau declarou que a “patafísica repousa na verdade das contradições e exceções”, Boris Vian ainda enfatizou a questão da Equivalência, quando comentou que “um dos fundamentos da patafísica é a Equivalência, dado que, contraditoriamente, não existe diferença entre o que é sério, e o que não é, são coisas equivalentes”.

*Informações retiradas do livro: ´Pataphysics, a useless guide (Andrew Hugill, 2002, Cambridge Massachussets - MIT)

Follow me

© 2023 by Nicola Rider.
Proudly created with
Wix.com
 

  • Facebook Clean
  • Instagram Social Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now